Quinta da Raza
Os Projectos

Na década de 90 deu-se início a modificações profundas na exploração agrícola e à remodelação das vinhas da Casa.

Desde cedo Diogo Teixeira Coelho visionou a optimização da exploração agrícola, através do redimensionamento das parcelas e relocalização da cultura da vinha, tradicionalmente nos campos e veigas de culturas arvenses para encosta e meia encosta de terrenos mais favoráveis à cultura da vinha. Procedeu-se à reestruturação de cerca de 40 hectares de vinha, verificando um aumento exponencial da produção e da qualidade. Exemplo das Vinhas da Raza, das Calçadas e da Bouça Fria.

Entretanto, todas as vinhas tradicionais de bordadura, ramadas, enforcado e latadas de uvas tintas são reconvertidas em vinha nova, com novos encepamentos, tanto brancos como tintos e sistemas de condução inovadores e actuais.

A aquisição de máquinas agrícolas foi crucial para optimização dos custos de produção e os investimentos avultados na viticultura originaram um acréscimo de produção e qualidade da uva.

Numa fase seguinte, em 1999/2000, a adega experimentou obras de melhoramento significativas e adquiriu-se diversos equipamentos enológicos, o que possibilitou um aumento de capacidade de armazenamento e produção de vinho. Nesta época, a venda à porta da adega torna-se frequente e a dinâmica da comercialização do vinho Dom Diogo transportam a exploração agrícola para uma nova era.  

A nova adega, situada na vinha da Raza, está a dar os seus primeiros passos. A colheita de 2011 já será vinificada nas novas instalações




© Quinta da Raza 2018 - Todos os direitos reservados